23-09-2016 Editorial: Na Democracia, o voto não é secreto

Pouco mais de uma semana, esse o tempo que os eleitores terão para decidir seus votos e ir às urnas escolher seus representantes. Alguns já estão com os nomes e números na ponta da língua, outros na tradicional “colinha”, e alguns ainda nem se decidiram. O importante não é o tempo que se leva para escolher o candidato, mas sim que o processo até que os nomes sejam selecionados, ocorra de forma consciente.
O que vemos em muitas cidades, a exemplo de Dois Córregos, é uma disputa eleitoral, que em alguns momentos, chega a decepcionar, até os mais favoráveis políticos. Porque afirma-se isso. Primeiro, porque alguns candidatos, ao invés de se promoverem com qualidades positivas e planos de governo entusiastas, se preocupam em tentar difamar o concorrente, muitas vezes, colocando em circulação inverdades sobre o mesmo e relatam fatos, que não são comprovados. O que você acha desse tipo de candidato que tenta se promover em cima do “defeito” do concorrente? Você escolhe um representante pelos defeitos do outro ou pelos benefícios que esse pode trazer ao município? Será que em pleno 2016, ainda não caiu a ficha de que a cidade merece ter comandantes realmente interessados em fazer o bem ao município ao invés de prejudicar as pessoas?
Outra situação lamentável, que vivenciamos nesta etapa final, é o comportamento lastimável das pessoas em redes sociais. Primeiro, que seu voto é particular e você não tem obrigação de soltar aos ventos quem é o seu candidato, porém, ressalta-se que, em muitos casos, há interesses políticos por trás e, por isso, fica tão evidente quem vota em quem. Não bastasse, as pessoas se disponibilizam a entrar em confrontos nas redes sejam com outros eleitores ou até mesmo com demais candidatos. Ofensas, palavras de baixo calão, baixaria, vergonha. E depois ainda clama por um país melhor.
Já ouviu dizer que cada povo tem o governo que merece? É diante desse tipo de atitude que confirma-se o ditado. Vale relembrar que, no Brasil, o voto secreto ocorreu pela primeira vez em 1925. Houve experiência, em Minas Gerais, em 1929. E foi institucionalizado, em 1932, pelo Código Eleitoral do Brasil.
Para os leigos, voto secreto é aquele em que o cidadão não precisa mostrar em quem ou no que vai votar e é um dos fundamentos mais importantes da Democracia. A implantação desse sistema ocorreu justamente para que o voto expressasse a vontade real do eleitor, sem que ele fosse coagido ou sofresse qualquer tipo de pressão e repressão. Além disso, a votação secreta tem como objetivo proibir a compra de votos e garantir a efetivação total da Democracia.
O voto de cabresto foi erradicado há 84 anos. Então, para os desatualizados, a democracia existe, o voto é secreto e se todos tiverem decência, o processo eleitoral deixa de ser uma vergonha e passa a ser um orgulho, como objetiva a nossa Democracia.



Esta matéria teve 291 visitas até agora. Data da publicação: 27/09/2016

Publicidade