23-09-2016 QueenNut organizou palestra de expansão de negócio em Torrinha

A empresa QueenNut Macadâmia de Dois Córregos, a Prefeitura Municipal de Torrinha, através da Diretoria Municipal de Desenvolvimento e Políticas de Empreendedorismo e o Sindicato Rural de Torrinha realizaram palestra técnica no último dia 15 de Setembro. O encontro aconteceu na Estação Ferroviária de Torrinha e teve como principal objetivo apresentar orientações e alternativas de negócio com o cultivo da noz macadâmia.
A palestra foi realizada pelos empresários da QueenNut, Dr José Eduardo Mendes Camargo e Maria Teresa Mendes Camargo (Teca), além do diretor Pedro Piza, do engenheiro agrônomo Leonardo Moriya, acompanhado de Leonardo Tornioli. A organização em Torrinha contou com o apoio de Maria Lúcia Baltieri, da Diretoria Municipal de Desenvolvimento e Políticas de Empreendedorismo e participação de aproximadamente 60 pessoas.
A QueenNut possui área plantada de 400 hectares, com 100 mil árvores e iniciou suas atividades na década de 90. Processa 1.500 toneladas, atendendo o mercado interno e externo e, além de trabalhar sua produção própria, também tem parceria com 30 fornecedores. Possui 100 mil mudas em viveiro, sendo este o único no país certificado pelo MAPA (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento).
O gerente agrícola Leonardo Moriya apresentou as informações técnicas desde a preparação do solo, aquisição das mudas, manejo, plantio consorciado de culturas e colheita. “Queremos que o produtor tenha sucesso na produção. A empresa tem as informações necessárias para fornecer toda a orientação técnica necessária, esclarecer as dúvidas e ajudar. Vamos ajudar o produtor a produzir mais e melhor, para que ele também esteja fortalecido e que juntos, possamos trabalhar o engrandecimento do agronegócio da noz macadâmia”, explicou.  
O diretor Pedro Piza explicou sobre as possibilidades de mercado aos produtores rurais que buscam uma nova alternativa de agricultura, como em casos de áreas não mecanizáveis. “Queremos divulgar o nosso negócio. Somos uma empresa consolidada e que beneficia 35% da noz macadâmia produzida no Brasil. Desejamos novos parceiros e queremos que a cultura esteja em expansão, principalmente, na nossa região. Além disso, estamos inseridos em uma parceria internacional de mercado, a Green & Gold, que detêm as negociações de 20% do mercado mundial”, acrescentou ainda.
Através de estudos específicos e parceria com a empresa Wickbold, a QueenNut foi pioneira no desenvolvimento do “Pão com chia e macadâmia”, um alimento presente no dia a dia. A QueenNut trabalha ainda voltada ao mercado de ingredientes, sendo fornecedora da Kopenhagen, NuttyBavarianno Brasil, Haagen Dazs, entre outros.
O plantio de noz macadâmia está em estudo pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente para que possa ser inserido em áreas de reflorestamento. Dentro do processo de expansão da cultura, a QueenNut já realizou encontros em Jaú, Barra Bonita e Mineiros do Tietê.
“Tivemos um público muito bom presente no evento, que se apresentou muito interessado nessa diversificação de mercado. Estando próximo da empresa facilita o acesso à tecnologia e à transferência de conhecimento da empresa. A região está começando a olhar com mais carinho essa oportunidade da noz macadâmia”, afirmou o Dr José Eduardo.
Participantes/ Pedro Paulo Bissoli é produtor rural de café também  esteve presente na palestra e achou muito interessante e rentável a possibilidade do cultivo da noz macadâmia. “Tudo o que eles nos apresentaram é muito bom, fiquei interessado em plantar macadâmia. Tenho área disponível e vou pensar melhor sobre isso”, comentou.
Matheus Spigolon é presidente da Cafenato (Associação dos produtores de café natural do bairro Paraíso do alto de Torrinha) que reúne 27 produtores associados. O principal cultivo deles é com o café, porém, existem outras culturas agregadas como gado leiteiro, gado de corte e milho. “É uma ótima alternativa e muito viável para diversificação. Ter uma única fonte de renda é difícil para tocar hoje em dia. A macadâmia é uma cultura rentável. Alguns agricultores também estão sofrendo por conta das usinas devolverem as áreas de cana e eucalipto. Vou levar esse conhecimento para discutirmos dentro da associação”, finalizou.

Dentro das orientações técnicas, foram apresentados dados para o início do plantio. São indicadas que sejam plantadas 278 árvores/hectare, em um espaçamento de 9mx4m. Um pomar adulto produz aproximadamente 4 toneladas da noz. O preço médio de compra é de R$ 7,20 tonelada da noz em casca, proporcionando uma rentabilidade de R$ 28.600,00 mil/hectare. As árvores iniciam sua produção a partir do 4º ano e podem produzir até os 60 anos.
A macadâmia possui ainda a possibilidade do plantio consorciado com outras culturas, como café, aveia, milho, soja, entre outros. Oferece ainda linhas de crédito estaduais e federais vantajosas para o produtor que busque realizar a diversificação da rentabilidade de sua área rural. Conforme levantamento específico, os investimentos para iniciar a produção ficam em aproximadamente R$ 7 mil/hectare, somando-se desde a aquisição das mudas, plantio do solo, adubação. Esse valor considerando-se o preparo do solo realizado por terceiros, ou seja, já incluindo o pagamento de funcionários e o primeiro ano do plantio.



Esta matéria teve 299 visitas até agora. Data da publicação: 27/09/2016

Publicidade