04-11-2016 Gás de cozinha estará mais caro

A Petrobras alterou os contratos de fornecimento de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), o gás de cozinha, e os novos preços entraram em vigor na última terça-feira, dia 1º. A medida reduziu os subsídios dados às distribuidoras e o repasse do reajuste chegará até 4%, o que poderá elevar o preço do botijão. O aumento depende da região e do tipo de contrato da Estatal com a distribuidora. Há duas semanas, a empresa reduziu os preços da gasolina e do diesel nas refinarias.
Com a mudança, os novos contratos passam a incluir taxas de uso da infraestrutura da Petrobras pelas distribuidoras. Empresas que usam tranques da armazenagem para estocar o produto pagarão mais caro. No Estado de São Paulo, o repasse ficará entre 1% e 4%, de acordo com o contrato. Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio no Estado é de R$ 52,97, e o repasse poderá variar de R$ 0,53 a R$ 2,12 por botijão. De acordo com a Petrobras, a média nacional de reajuste não ultrapassará R$ 0,20 por botijão de 13 quilos. Ainda não estimativa de aumento para a região, já que as distribuidoras e revendedoras de gás adotam políticas comerciais próprias e, por isso, os preços são livres.



Esta matéria teve 286 visitas até agora. Data da publicação: 07/11/2016

Publicidade