10-02-2017 Cidade invadida por ambulantes

A crise fez com que muitas pessoas perdessem os empregos, várias dessas virarem autônomos, nas mais diversas áreas, vendedores de capas para bancos, vendedores de óculos, espetos, pipoca, churros, móveis, verduras, goiaba, manga, uva, morango e muito mais. O problema é que esse tipo de comércio tem gerado um aglomerado de ambulantes no centro da cidade, todos os dias recebemos pessoas que vem comercializar seus produtos aqui, param seus veículos e junto a eles mais duas ou três pessoas se deslocam em pontos diferentes para aumentarem as vendas. A maioria dos produtos oferecidos pelos ambulantes já tem fornecedores na cidade, são lojas, supermercados e outras empresas instaladas a anos no município, quando um ambulante explora o comércio local, enfraquece a economia que deixa de gerar impostos e empregos para a população.
Essa é uma prática habitual em todas as cidades brasileiras, não podemos e não devemos impedir o livre comércio, desde que registrado e documentado, mas o que será necessário nesse período é uma avaliação urgente por parte das autoridades para saber se estamos aquecendo a economia local ou estamos desfavorecendo os instalados aqui no município.
A Prefeitura tem uma tabela para os ambulantes que chegam na cidade, confira:
 
 
Todos merecem um lugar ao sol, os ambulantes sempre existiram, com eles também se gera empregos, vantagens para os consumidores entre outros benefícios, mas o que nos resta nesse momento de crise é uma avaliação fria, se estamos ou não prejudicando nosso comércio diante de tanta oferta desenfreada na região central, está fora do comum.
 


Esta matéria teve 70 visitas até agora. Data da publicação: 14/02/2017

Publicidade