17-02-2017 Editorial: Bolso cheio

E nesta semana saiu o tão esperado calendário de saque do FGTS inativo. Tem gente dando pulo de alegria, afinal, em um período tão crítico economicamente falando, a vinda de um dinheiro extra, tem mesmo é que ser comemorada. 
O que muitos questionam é o porquê de o presidente Michel Temer ter autorizado a liberação do FGTS inativo. Para esclarecer, o FGTS inativo é aquele dinheiro que foi recolhido pela empresa em que o funcionário prestou serviço com carteira assinada e houve o depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Porém, o dinheiro colocado nesta “poupança” só pode ser retirado em casos específicos como financiamento de imóvel, tratamento de câncer, aposentadoria ou se o funcionário for desligado da empresa sem justa causa. Em qualquer outra circunstância, o valor recolhido fica parado na conta. 
O que o atual governo fez foi liberar para saque esse dinheiro que teoricamente está parado, não pode ser sacado, e poderia estar sendo utilizado para movimentar a economia. No período de crise, a sacada foi genial. Afinal, tem muita gente com o nome sujo na praça, com contas atrasadas e em situação financeira precária. 
A ideia é interessante, se pensarmos que os mais de 40 bilhões de reais, podem ser aplicados na economia do país, claro, isso se todos sacarem os valores disponíveis. A estimativa do governo é de que ao menos 80% do total seja resgatado e investido na economia. 
A medida foi adotada após a queda acentuada no PIB do país e da taxa de desemprego atingir um dos níveis mais elevados da história. O resgate de um dinheiro que está parado rendendo menos do que a poupança é uma jogada econômica e tanto. Essa é uma alternativa para que a pessoas consigam saldar suas dívidas, voltem a consumir, invistam no país e dinamizem a economia brasileira. 
Mas, muito cuidado com a administração desse dinheiro extra. Os economistas estão alertando, vale sim a pena sacar o dinheiro e depositar na poupança, aplicações ou investimentos, mas a utilização consciente é fundamental. Sabe-se que muitos brasileiros utilizarão o dinheiro para saldar dívidas, isso é importante, mas é preciso que não só a economia se estabilize, mas a vida financeira do brasileiro, também. Portanto, não saia gastando por aí, tudo aquilo que você demorou anos para conquistar com o suor do seu trabalho. Use para verdadeiras necessidades, quite dívidas, limpe o nome ou invista em algo que realmente você precise, mas não gaste com supérfluos, pois esse dinheiro pode um dia lhe fazer falta. Para aqueles que não estão precisando da grana extra, guardem, apliquem, poupem, afinal, uma vida financeira saudável poupa as pessoas de muitos outros problemas.
 

 



Esta matéria teve 54 visitas até agora. Data da publicação: 20/02/2017

Publicidade